O molekinho chegou aqui em casa depois de ter chegado do Chile ao Brasil pelas mãos da Sibele, a nossa princesa Jedi. Ficou pouco tempo por lá, pois a Sibele já sabia muito bem que arte fazer e o trouxe para o nosso orkontro no Viena, no dia 13/12/2009.
Já estava todo mundo lá quando a Sibele chegou e a primeira pergunta que fiz para a coitada não foi: “Tudo bem?”, mas “Trouxe o molekinho”?
Aí embaixo tá a passagem oficial do moleke para as minhas ávidas mãos:

Aqui eu já estava quase enforcando a Sibele, de tanto que eu (e todo mundo) queria folhear o molekinho pra ver a arte da Sibele e a dos outros “tradurtistas”.

O Molekinho trouxe com eles uns presentes lá do Chile. A Sibele parece que me conhece, trouxe um livro de poesia do Garcia Lorca (que eu adoro)em edição bilíngue, espanhol e mapudungun. Tão achando que eu bebi, né? Vão pesquisar no Tio Gugo e descobrirão que língua é essa. Como disse a Sibele, tradutor não conhece todas as línguas, mas se interessa por todas.
Além disso, a Sibele trouxe também um livrinho de postais da Antártica Chilena, lugar que, como (ex) bióloga, eu sempre sonhei em conhecer.
Olhem aí os presentes e quem o molekinho andou encontrando por aqui.

O Molekinho com os seus amiguinhos: o Tico (e o Teco foi passear, já entenderam o drama, né?), um pinguinzinho e uma coelhinha presente do outro molequinho aqui de casa, a caneca cheia de gatos que a Thays me deu e uma bolinha de amassar para as horas de tensão.

Bom, vocês já devem estar loucos pra ver a arte da Sibele Così Bella, né?
Bom, eu digitalizei três vezes o molekinho, mas tem uma parte que não sai bem de jeito nenhum, devido às curvas que o nosso molekinho está adquirindo, resultado das “artes” de todos.


Bom, “è tutto per ora”.
Se ficar muito difícil de ver a adorável obra da Sibele, eu tiro uma foto pra ver se a visualização melhora.
Ah, o Molekinho vai passar o Natal e o Ano Novo aqui em casa, tá?
A Sibele e eu achamos melhor mantê-lo longe dos Correios nessa época do ano, é mais seguro.
Um beijo,
Risole Roselix.